Arquivo da categoria: Notícias da indústria fotográfica

Que mané 45 minutos…

Esse é o tempo da exposição mais longa que já fiz até agora: 45 minutos (não tenho como anexá-la aqui nesse momento, mas depois atualizo o post acrescentando a foto. Essa aí de baixo tem só 4 minutos).

45 minutos são exatos 2.700 segundos. Muito, né?

Ahan… ahan…

Eu estava me achando com minhas “longas exposições”… 4, 10, 25, 45 minutos. Claro que sabia que outros fotógrafos têm feito exposições bem maiores e melhores, superiores a 10 horas. Mas não estava preparado para isso:

As exposições fotográficas mais longas da história.

Esse excelente artigo de Stefan Klenke começa falando de uma exposição de 6 meses. E essa é a menorzinha… não vou escrever muito aqui para não estragar a surpresa, porém as fotografias que mais me impressionaram foram as de construções de prédios, é possível perceber o tempo passando conforme os andares vão sendo construídos num período de mais de 2 anos! Surreal e impressionante!

Eu sabia que ainda estava longe de dominar essa técnica, mas não tão longe! Me senti no banco de acusação do Jack Nicholson em “Questão de honra”:

“You want the truth?! You can’t handle the truth! Que mané 45 minutos*!”

(*) A última frase pode ter sido levemente alterada em relação ao diálogo original. :-p

Anúncios

Hasselblad lança H4D-50 e H4D-60

Tenho certeza que muitos de vocês aguardavam apenas esse lançamento para atualizar suas câmeras!

Pois bem, a Hasselblad (nunca ouviu falar? Ok, a marca trabalha com médio formato, ou seja, sensores bem maiores – e caros! – do que estamos acostumados. Não é pra qualquer um não) lançou nessa semana suas mais novas câmeras, a H4D-50 e H4D-60. Ambas são upgrades às versões anteriores, chamadas de H3D. Entre as novidades, estão um novo sistema de foco (True Focus) e um novo software para o processamento de suas imagens (Phocus 2.0).

Vou guardar o preço pro final…

Nova Hassy

Nova "Hassy"

Primeiro, vamos listar alguns probleminhas de ambas as câmeras:

– Apesar do novo sistema de foco, ele certamente não está a par das DSLR (não sei nem se acompanha as melhores compactas! Não importa, essas câmeras são operadas geralmente em foco manual);

– A qualidade das imagens em ISOs altos certamente também não chega nem perto das DSLR, nenhuma delas, nem a mais simples. Sem problema, essas câmeras geralmente não são utilizadas acima de ISO100;

– Não vi esse detalhe, mas não tenho dúvida de que o LCD externo deve ter uma qualidade passável, no máximo. Nada comparável aos últimos LCDs de alta resolução encontrados até em câmeras compactas;

– A câmera é pesada e lenta. Nada de 5 frames por segundo. Nada de usá-la fora de um tripé…

Quanto será que custa uma tranqueira dessas?! 10, 20 dólares??

19.995.

Euros.

A mais barata.

28.995 a mais carinha… euros again, of course! Dólar é tão 2008… :-)

“Ô pesinho de porta caro esse!”, você pode ter pensado. O que ela tem de bom, afinal?? O que as câmeras médio formato se propoem a oferecem: qualidade de imagem.

Não, sério. QUALIDADE de imagem. Imagens com resolução absurda, fidelidade de cor imbatível, dynamic range altíssimo, nível de detalhe, se me permitem dizer, insano. Isso tudo acompanhado de lentes com qualidade igualmente acima de qualquer suspeita, claro. Dêem uma olhada nessas comparações e vão entender do que eu estou falando.

Ah, eu mencionei resolução absurda?! Sim, H4D-50 e H4D-60 indicam, nos próprios nomes, a quantidade de megapixels: “só” 50 e 60Mp, respectivamente. :-)

Não são câmeras para qualquer um. Aliás, para quase ninguém: serão utilizadas principalmente por grandes estúdios, em ambientes totalmente controlados, ou por fotógrafos realmente experientes e renomados de landscape , que é o tipo de assunto que mais se beneficia das qualidades e que não é tão afetada pelos supostos defeitos que citei acima. E claro, para gerar impressões gigantescas, com alguns metros de largura, pelo menos. Ninguém vai usar um monstro desses para imprimir fotos 10×15!

Ah, sim… já ia esquecendo das lentes! Esse é o preço do corpo da câmera, lógico! Além disso, você precisaria comprar algumas lentes para acompanhar. Se me permitem sugerir, optaria pela 28mm F4 ($3290), 50mm F3.5 ($2525) e 120mm F4 Macro ($2890). Mais uma vez, amigos: euros!

Se eu pudesse, teria uma? Sem dúvida!

Aceito doações… :-)

Nova "Hassy"


Panasonic lança a GF1

No último dia 2 de setembro, a Panasonic lançou a nova DMC-GF1, uma câmera que adota o formato Micro Four Thirds (ou m4/3) que deve atrair muitos fotógrafos para a marca. Depois do sucesso da LX3 – uma compacta que caiu nas graças dos que procuram uma câmera pequena e com muitos recursos -, a GF1 busca atrair pela qualidade de imagem superior, bastante semelhante a uma DSLR, num corpo bem “enxuto” (119mm x 71mm x 36mm, aproximadamente 285g).

Panasonic GF1

Panasonic GF1

Panasonic GF1

Panasonic GF1

O segredo foi acabar com o prisma e todo o mecanismo que caracteriza as DSLR’s e seus visores óticos; assim, foi possível aproximar o encaixe da lente ao sensor (aproximadamente 4x menor que o de uma câmera full frame, mas quase 7x maior que os sensores das compactas), e o resultado é uma câmera bem menor do que mesmo as menores DSLR’s.

Panasonic GF1

Panasonic GF1

Para manter o conjunto câmera/lente no menor tamanho possível, a Panasonic também promete lentes igualmente diminutas. A primeira delas já foi anunciada: é uma 20mm F1.7 (equivalente a 40mm no padrão 35mm), que atende bem os que gostam de uma distância focal “normal”.

Lente 20mm F1.7 pancake

Lente 20mm F1.7 pancake

Certamente, outros fabricantes adotarão o modelo ditado pelo padrão m4/3 (além da GF1, a Olympus lançou em junho a EP-1), o que é uma renovação mais que bem vinda à indústria.

Mais informações nos sites do DPReview ou DCResource.

Atualização: O preço estimado da câmera é de 1.000 dólares, aproximadamente. Isso lá fora, pode acrescentar pelo menos 100% nesse valor ao comprar aqui dentro, ou seja, algo ali perto dos R$3.500,00, R$4.000,00…


Nova Canon 7D

Hoje foi lançada a mais nova candidata ao título de câmera mais avançada abaixo de U$2.000: a Canon 7D.

Canon 7D

18 megapixels, 8 frames por segundo, ISO 100-6400, vídeo em alta definição, LCD de alta resolução, controle de flashs externos e um visor enorme são apenas algumas das credenciais dessa câmera que vai disputar o mercado com Nikon D300S, Pentax K7 e Sony A850, entre outras. É uma câmera que está um nível acima da própria Canon 50D e parece ter como principal público-alvo pessoas que fotografam esportes e vida selvagem.

São tempos interessantes para os que procuram uma nova câmera, com vários lançamentos importantes nos últimos meses (além das já citadas, a Olympus causou um rebuliço com a EP-1 e a Leica promete lançar a M9 em 09.09.2009 [o pessoal de marketing lá não dá ponto sem nó!]). Isso sem falar das novas compactas…

Mais informações sobre a nova câmera da Canon no site do Rob Galbraith ou do DPReview.

Atualização: O preço dessa Canon vai girar em torno de U$1.700,00 nos EUA. Imagino que vai ultrapassar fácil os R$5.000,00 por essas bandas… pelo menos nas primeiras semanas. Se quiser comprar, espere a procura esfriar um pouco, essas câmeras costumam ter uma demanda imensa nos primeiros meses e aliviar um pouco depois disso.


%d blogueiros gostam disto: